comments powered by Disqus
Amazônia / Animais

Pesquisa estuda impacto da atuação do homem no habitat de larvas de peixes

O estudo é desenvolvido no âmbito do Programa de Apoio à Pesquisa Universal Amazonas, da Fapeam, em parceria com o Inpa e tem previsão para término em julho deste ano

domingo 19 de fevereiro de 2017 - 8:00 AM

Com informações de assessoria / portal@d24am.com

Pesquisa observa os peixes em todos os períodos hidrológicos. Foto: Érico Xavier/Divulgação Fapeam

Manaus - A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) informou que um projeto de pesquisa desenvolvido pelo doutor em Biologia de Água Doce e Pesca Interior, Rosseval Galdino Leite, está estudando as larvas de siluriformes bentônicos – espécie de peixe que vive no fundo dos rios de água doce, com a finalidade de subsidiar a criação de políticas de proteção a essas espécies que, segundo o órgão, trarão benefícios à população que se alimenta desses peixes. O estudo é desenvolvido no âmbito do Programa de Apoio à Pesquisa Universal Amazonas, da Fapeam, em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e está há dois anos em andamento, com previsão para término em julho deste ano.
 
Os siluriformes são peixes lisos como os tamuatás, o dourado e a piramutaba. A pesquisa observa os peixes nos quatro períodos hidrológicos: fase da seca, enchente, cheia e vazante, verificando as estratégias desses seres aquáticos para sobrevivência, como a alimentação, a forma como ele se alimenta para aproveitar melhor o que tem à disposição dele, e a época do ano em que a espécie de reproduz, segundo as alternativas oferecidas pela própria natureza.

“Tudo que nós geramos nas pesquisas tem a finalidade de trazer benefícios para a população. Por exemplo, esse nosso trabalho procura saber se os peixes no fundo do rio comem os insetos da vegetação que estão sendo levados para o canal do rio, se você acaba a vegetação, então acaba a fonte de alimento para esses peixes”, ressaltou Rosseval.
 
Segundo ele, se você joga veneno numa plantação, esse veneno acaba indo para o rio, impedindo o crescimento do fitoplâncton, que alimenta o zooplâncton que por sua vez gera alimento para os peixes pequenos e alguns grandes que, na cadeia alimentar, vão servir para alimentar os seres humanos, por isso, a importância da pesquisa científica na verificação de todos esses aspectos.

VEJA TAMBÉM NO D24am