comments powered by Disqus
Amazônia / História

Nova praça Tenreiro Aranha será inspirada em projeto original de 1920 

Obra custará R$ 2,015 milhões e será financiada pelo PAC - Cidades Históricas do Governo Federal

sexta-feira 14 de agosto de 2015 - 6:15 PM

Com informações de assessoria / portal@d24am.com

Projeto mostra como  ficará a Praça Tenreiro Aranha ao final das obras

A Praça Tenreiro Aranha, no Centro de Manaus, que será reformada a partir de segunda-feira, terá o novo traçado inspirado no projeto original de 1920. O valor inicial da obra é de R$ 2,015 milhões, financiada pela Programa de Aceleração do Crescimento - PAC Cidades Históricas 2, do governo federal.
 
A nova arquitetura inclui jardins, abertura da via central e a transposição do Pavilhão Universal para a Praça Adalberto Valle – também contemplada no PAC.
 
Composto de dois canteiros triangulares, o espaço, mais arborizado, contará com o plantio de espécies tropicais e jardins com pedras portuguesas brancas e pretas. As ruas laterais serão resgatadas com paralelepípedos e a pavimentação será do tipo paver - peças pré-moldadas de concreto. As ruas serão exclusivas para pedestres, recebendo balizadores também em concreto.
 
Próxima à Tenreiro Aranha, a Praça Adalberto Valle está num ponto de grande visibilidade e terá o Pavilhão restaurado, com entorno contendo jardins baixos e bancos. Uma nova via será criada do lado oeste da praça para o resgate do fluxo de trânsito como era nos anos 20.


 
O presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), Roberto Moita, disse que as praças serão adequadas quanto às normas de acessibilidade, iluminação pública, sinalização, mobiliário urbano e paisagismo. “Estamos requalificando o patrimônio para uso no dia a dia da cidade, para dar o fôlego necessário ao Centro, para que volte a ser orgulho da sua população, além de pontos turísticos”, explicou.
 
Com recursos do PAC Cidades Históricas, a Prefeitura de Manaus pretende reformar também as calçadas da Avenida Eduardo Ribeiro. Parte da verba será do Fundo Municipal de Desenvolvimento Urbano (FMDU), gerido pelo Implurb. Os projetos arquitetônicos têm desenho das equipes de arquitetos, engenheiros e paisagistas do órgão municipal, com acompanhamento e aprovação junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

VEJA TAMBÉM NO D24am