comments powered by Disqus
Esportes / Lutas

Amazonense já tem campeões no sênior

Competição teve, além dos amazonenses, atletas do Maranhão, Ceará e uma delegação do clube Boca Juniors, da Argentina

segunda-feira 20 de fevereiro de 2017 - 8:30 AM

Da Redação / portal@d24am.com

Rita de Cássia (de vermelho) venceu a disputa na categoria até 48 kg. Foto: Divulgação

Manaus - Grandes combates marcaram a edição 2017 do Campeonato Amazonense de Wrestling, categoria sênior (estilo livre masculino e luta feminina). Com alto índice técnico, a competição teve até participação de atletas estrangeiros, na Vila Olímpica de Manaus.

Segundo a Federação Amazonense de Luta Livre Esportiva e Olímpica (Falle), que organizou as disputas, além dos amazonenses, lutadores do Maranhão, Ceará e uma delegação do Boca Juniors (Argentina) lutaram no torneio. O campeonato serviu de seletiva para formação da equipe que representará o Amazonas no Campeonato Brasileiro Sênior 2017, previsto para os dias 10 e 11 de março, no Rio de Janeiro.

Lucas Machado foi o campeão no estilo livre até 70 kg. Ele superou dois argentinos: Tomás Ledesma (que ficou com a medalha de prata) e Mauro González (bronze).

Na categoria até 74 kg, dois destaques do estilo livre travaram uma batalha para garantir a vaga no Brasileiro. No final, Matheus Frota levou a melhor sobre Felipe Santana. Correndo pro fora, o novato Ângelo Oliveira ficou com a medalha de bronze.

O estilo livre masculino teve mais seis campeões na seletiva: Daniel Alves (57 kg), David Washington (61 kg), Cristian Lima Leite (65 kg), Walter ‘Steel’ Júnior (86 kg), Fábio Motta Júnior (97 kg) e Paulo Victor (125 kg).

Rita de Cássia triunfa

A judoca Rita de Cássia Reis, de 21 anos, disputou, pela primeira vez, o Amazonense de Wrestling e se sagrou campeã na disputa até 48 kg. Ritinha, como é conhecida no mundo das lutas, levou a medalha de ouro ao vencer Diane Martins e Sabrina Gama.

“Estou muito feliz por essa medalha inédita na luta olímpica. Fiz três meses de treinos, focando essa seletiva e cumpri minha meta que era garantir essa vaga no Brasileiro. Foi muito difícil fazer uma transição do judô para a luta olímpica, por causa do ataque de perna, pois é muito difícil tanto bloquear quanto atacar a perna. Agora é continuar os treinos, corrigir os erros e trabalhar para fazer uma grande campanha no Brasileiro”, disse Ritinha.

A judoca já tinha garantido, na semana passada, em Manaus, o ‘free pass’ para o Campeonato Mundial Profissional de Jiu-Jítsu de Abu Dhabi, no mês de abril. Os desafios para 2017 incluem competições de judô, jiu-jítsu e wrestling.

“Tenho um calendário cheio, neste ano, no judô, no jiu-jítsu e na luta olímpica. Sou muito competitiva e vou dar o melhor em todos os campeonatos. Quanto ao futuro, não descarto migrar de vez para o wrestling, afinal meu sonho é chegar a Olimpíada de Tóquio, 2020, e não importa por qual modalidade”, afirmou.

A luta feminina também consagrou mais cinco atletas no Amazonense: Thalia Lopes (51 kg), Ádria Ferreira (53 kg), Brenda Ariane Palheta (58 kg) e Andria Pimentel (63 kg).

VEJA TAMBÉM NO D24am