comments powered by Disqus
Plus / Artes & Shows

Morre Marcello Nitsche, um dos grandes da arte pop brasileira

Artista, morto na madrugada deste domingo, aos 74 anos, sempre atendeu, de certa forma, a expectativa do público por algo prazeroso, divertido e vital

domingo 12 de março de 2017 - 7:06 PM

Estadão Conteúdo / portal@d24am.com

Marcello Nitsche em sua retrospectiva no Sesc Pompeia, em 2015. Foto: Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo

Paris - Entusiasmo e nenhum segredo sempre foram os ingredientes principais da fórmula que Marcello Nitsche encontrava para a sua arte. Crítica e ironicamente, este artista, que morreu nesta madrugada (12), aos 74 anos, propunha muitos níveis de leitura, mas, por pressuposto, desautorizava todos eles.

Desde os anos 1960, com obras que ficaram na história da arte pop brasileira como Eu Quero Você (1966), emblemática pintura-objeto que representa a mão do Tio Sam, o inesquecível inflável gigante Bolha Amarela (1969), a sua participação na mostra Nova Objetividade Brasileira (1967) e em muitas outras; até a exposição Alegres Saudações na Galeria São Paulo (1981) e a sua última retrospectiva Lig Des (2015), no Sesc Pompeia, Nitsche sempre atendeu, de certa forma, a expectativa do público por algo prazeroso, divertido e vital. Algo que tivesse qualidade e inteligência suficientes para não evocar, por mais que se tentasse, qualquer tipo de radicalismo, exigência ou rigidez intelectual.

Como todos os artistas de sua geração, Nitsche viveu igualmente a história e o processo da Bienal de São Paulo, mesmo em seus momentos mais difíceis como o boicote que atingiu a décima edição, durante a ditadura militar em 1969. Naquela época, apesar do constrangimento, muitas personalidades atuantes (e militantes), entre as quais o crítico Mário Schenberg e artistas como Carmela Gross, Marcello Nitsche, Claudio Tozzi e Mira Schendel tiveram a lucidez de escolher participar da mostra. Não porque fossem indiferentes ou alienados politicamente. Muito ao contrário. O que queriam, na verdade, era exercer a liberdade da arte.

Marcello Nitsche possuía uma tradição muito definida no campo da irreverência, humor e reflexão: Costura da Paisagem, Vacas de Concreto em Ibiúna, a Garatuja da Praça da Sé, os Fragiles na Cooperativa dos Artistas Plásticos e tantos outros, são trabalhos que estabelecem uma relação de troca com o ambiente, a cidade. E todos eles sempre tecem, de uma forma ou de outra, um comentário pertinente sobre a atividade artística.

 Em Alegres Saudações, as próprias tintas davam os títulos das 40 pinceladas coloridas com tinta Duco, recortadas sobre chapas sintéticas: Azul Imperial, Vermelho Fiesta, Amarelo Interlagos... Não há mistério. As pinceladas coloridas são o que são: formas recortadas, chapadas e imobilizadas: objetos matreiros que alegorizam o gesto pictórico, mas não são gestos. Explicam a pintura, mas não são pintura. Elementos que expressam, inclusive, a postura analítica que existe neste aparente "desmembramento da pintura", mas não cumprem literalmente esta tarefa. Apenas teatralizam a "divisão".

Em suma, Marcello Nitsche foi um artista que representou de forma figurada, a priori, qualquer teoria que, depois, pudesse ser tecida a respeito de sua obra. A despeito da sua facilidade, adaptabilidade a qualquer gosto ou situação, e leveza, é nisso que residia o seu mérito e é por isso que fará falta. Os seus trabalhos sempre foram mais inteligentes do que se imaginava.

VEJA TAMBÉM NO D24am