comments powered by Disqus
Notícias / Política

Deputados gastam R$ 281 mil com viagens

Parlamentares amazonenses justificaram 44 faltas por causa de deslocamentos para o interior do Estado com dinheiro da Assembleia Legislativa do Estado.

terça-feira 1 de junho de 2010 - 8:10 PM

Os gastos dos deputados estaduais com passagens aéreas e fluviais nos quatro primeiros meses deste ano eleitoral totalizam R$ 281.210,91, sendo a maioria referente a viagens para municípios do interior do Estado. Nesse mesmo período, os parlamentares justificaram 44 faltas às sessões ordinárias alegando ‘viagem’ ou ‘compromisso político no interior’.

Dados dos balancetes de prestação de contas mensais da verba indenizatória demonstram que os gastos com viagens foram maiores em fevereiro e abril. Em janeiro, quando os parlamentares estavam de recesso parlamentar, a ALE desembolsou R$ 57.944,70 com o pagamento de passagens e fretamentos de aeronaves. Em fevereiro, foram gastos R$ 68.295,33 para custear as viagens. Conforme as prestações de contas, os deputados gastaram ainda R$ 60.358,44 em março e R$ 103.510,91 em abril com viagens. Do total de gastos, apenas R$ 13.476,53 foram destinados à compra de passagens aéreas para outros Estados.

Mensalmente, os deputados têm direito a uma verba indenizatória, o chamado ‘Cotão’, no valor de R$ 17 mil. De acordo com a resolução que instituiu a verba, se os recursos não forem totalmente utilizados no mês pode haver acúmulo ao longo do exercício do mandato do parlamentar, mas não para o ano seguinte, e não serão permitidos gastos de caráter eleitoral. Para não ultrapassar o valor, deputados da base aliada do governo aproveitam a estrutura do Estado e viajam em caravana aos municípios do interior.

As viagens para o interior do Estado foram apresentadas como justificativa 44 vezes pelos parlamentares, entre fevereiro e abril deste ano, o que representa 38,5% do total de 114 faltas justificadas nesse período. No ano passado, 159 das 406 faltas foram justificadas com viagens ao interior, o equivalente a 39% das faltas abonadas. Em média, três deputados faltaram em cada uma das 125 sessões do ano passado.

No Amazonas, 44% dos eleitores estão nos municípios do interior do Estado. São mais de 870 mil pessoas que os políticos precisam ‘conquistar’ nas urnas, o que explica o interesse dos deputados por viagens ao interior em ano de eleições gerais e reflete no grande número de faltas nas sessões da Assembleia Legislativa do Estado (ALE).

O ‘campeão’ de gastos com viagens nos três primeiros meses deste ano foi o deputado Vicente Lopes (PMDB). Na soma dos quatro primeiros meses do ano, o parlamentar gastou R$ 42 mil. Vicente argumentou que desenvolve trabalhos em municípios distantes, onde só chegam voos fretados, o que encarece o transporte. “A verba é pequena diante da necessidade. Por isso busco sempre o mais barato. Ou se faz e gasta racionalmente, ou não se faz e a população diz ‘esse se elegeu e esqueceu’, o que não é uma opção pra mim”, disse.

O deputado Adjuto Afonso (PP) aparece logo em seguida no ranking dos que mais utilizaram o ‘Cotão’ para custear viagens. Segundo os balancetes da verba indenizatória deste ano, ele gastou R$ 41.754,42 entre janeiro e março, com fretamento de aeronaves para viagens ao interior do Estado. Em janeiro deste ano, durante o recesso da ALE, Adjuto utilizou R$ 13.090,00 da verba indenizatória para custear viagens ao interior do Estado. “Deputados com base no interior, como é o meu caso, naturalmente tem gastos maiores com viagem”, alegou Adjuto. Ele declarou ainda que a verba é necessária para “cumprir o dever do parlamentar de ir até as comunidades para ouvir as demandas e levá-las ao Executivo”.

Os balancetes de prestação de contas da verba indenizatória apontam ainda gastos significativos com passagens nesse período para os deputados Walzenir Falcão (PMN) e Liberman Moreno (PHS) e para o ex-deputado Marco Antônio Chico Preto (PP). Segundo o ex-parlamentar, que deixou a ALE em abril, após o retorno do titular da vaga, deputado Francisco Souza (PP), os custos para exercer mandato eletivo no interior são elevados por conta dos altos preços de voos fretados.

VEJA TAMBÉM NO D24am